Namorar que nada. Eu quero é rodar!!! Na ciranda dos famosos!

Se os casais pops da nossa infância tiverem alguma influência na maneira como encaramos a vida amorosa… hummm… É sinal de que a coisa está feia pro nosso lado!!!

Olha só o tamanho desse rolo:

Vavá namorava Mary Alexandre que namorava Fábio Junior que namorava Patricia de Sabrit que namorava Luciano Huck que namorou a Ivete, mas casou com a Angélica que namorou o Mauricio Mattar, que namorou um bando de gente.

Antes disso, Luciano namorava Eliana que namorava o Justus que namorava a Galisteu que namorava o Senna que namorava a Xuxa que namorava o Luciano Szafir que virou só o pai da Sasha.

E mesmo quem ficou de fora dessa pegação toda, também tem culpa no cartório.

Close nesses casais incríveis que também marcaram os anos 90:

Cláudia Raia & Alexandre Frota

Imagem

Wanessa Camargo & Dado Dolabella

(Esse com direito a clipe: O Amor Não Deixa)

http://www.youtube.com/watch?v=cssurht1CYY

Imagem

Taís Araújo & Netinho

Imagem

Sandy & Paulinho Vilhena

Imagem

Preta Gil & Caio Blat

Imagem

Vera Fischer & Floriano Peixoto

Imagem

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Por Mariane Battistetti, Gabriel Ferreira e Daniele Pechi

Anúncios

Onde você estava em 11 de setembro de 2001?

(obs.: O WordPress atualiza a data dos posts com outro fuso. Ainda é 11 de setembro no Brasil, não 12)

O Babalu é Califórnia não costuma tratar de assuntos pesados. A gente fala mais é de cultura pop, música, referências divertidas. Mas deixar passar em branco o aniversário de uma data importante da nossa década de 90 alongada ao início dos 2000 seria injusto.

Ao abrir a página inicial do WordPress, vi um blog com a chamada: “Where were you in 9/11?”. Esse é talvez um dos tópicos que mais seja lembrado quando se fala no assunto. Pra nós, no Brasil, o impacto e a tristeza não são os mesmos dos americanos – o autor do blog que eu citei é de lá. Mas todo mundo ficou sabendo de alguma forma, e sentiu algo em relação ao aconteceu (alguns até alegria, uma espécie de sentimento de vingança um pouco sádico, eu diria).

Proponho o mesmo que o autor, Mike LaMonica, e pergunto: onde você estava naquele dia? Eu me lembro de estar vendo TV na cama da minha mãe, sozinha, naquela manhã. Estudava na 7a série do ensino fundamental à tarde. De repente, o programa de variedades ao qual eu assistia foi interrompido pelas imagens. Chocantes – com o perdão do clichê sensacionalista.

Fui à aula, depois do almoço, e encontrei colegas e professores assustados. Só se falava nisso. “É a 3a Guerra Mundial”, “vamos todos morrer”, “é o fim do mundo” e por aí vai. Teve até gente chorando porque achou que o pai ia pra guerra.

Foi 9 anos atrás. Apesar das previsões catastróficas daquele dia, até que o mundo sobreviveu bem (com enormes ressalvas).

Usando a referência do blog de Mike, apontei no Google Maps onde eu estava naquele dia: Americana, interior de São Paulo

Daniella Cornachione

Confesso! Eu amava…

Esses dias estava zappeando pela TV e parei para assistir ao episódio (reprise, é claro!) de mais uma atração da TV Cultura que fez a cabeça dos jovens da nossa geração: Confissões de Adolescente.

Criado em 1994, o seriado conta o dia-a-dia de uma família pouco comum. Um pai viúvo, com quatro filhas (duas do primeiro casamento, uma do segundo casamento e a enteada), que tem que lidar com as sutils, ou não, crises das adolescentes.   

As personagens: Natália, Carol, Diana e Bárbara

As personagens: Natália, Carol, Diana e Bárbara

 

Diana (Maria Mariana) , Bárbara (Georgiana Góes), Natália (Danielle Valente) e Carol (Deborah Secco) me acompanharam durante várias tardes, depois da escola. Diana era a mais velha das quatro irmãs, a mais compreensiva, calma e madura. Já Bárbara (a que eu mais gostava), a mais velha depois de Diana, era super despachada e prática – com seu cabelo ‘joãozinho’ e suas roupas descoladas. Não engolia um sapo sequer! Natália tinha um perfil dócil, era sonhadora e romântica. E Carol, a caçula da turma, era moleca – sempre com seu boné de lado.

O estilo de narrativa era um dos artifícios que prendia o público. A história corria normalmente e era interrompida por cometários das personagens, que mostravam seu ponto de vista sobre o assunto e seus pensamentos não externados durante o decorrer da trama.

Paulo (Luiz Gustavo) era o pai que todo mundo queria ter. Compreensivo, calmo, o mais bonzinho de todos!

Maria Mariana, interprete de Diana, criou a série baseando-se em seus diários de adolescência (talvez por isso nós nos identificássemos tanto com os contos). Além de sucesso na TV, as histórias viraram peça teatral e um livro.

A série ainda consagrou a música de abertura, Sina, de Djavan.

Enfim, fiquei presa ao episódio e tive que assitir até o fim.

Fernanda Abrão

FE-BRES DOS ANOS 90 (02)

Brilho de Morango!!!!

Isso sim é que foi uma febre nos anos 90. Não tinha uma menina que não levasse um Morango do Amor na  mochilinha!

Morango do Amor

Morango do Amor

Passá-lo era meio nojento, rs, tinha que ser com o dedo mesmo, já que não vinha com os modernos pinceizinhos de hoje.

Nojento ou não, era superbadalado. Uma das poucas maquiagens que nós, crianças na época, podíamos usar.

Além da versão moranguinho, ainda existia a versão uvinha e maça! Mas eu não encontrei fotos delas para colocar aqui.

Versões atuais:  brigadeiro e sorvete

Versões atuais: brigadeiro e sorvete

Para quem quiser relembrar os velhos tempos… eu sei que na 25 de Março tem um monte de loja que ainda vende os moranguetes. E atualmente inventaram as versões sorvetinho, brigadeiro…

Ah, mais uma coisa: caso, algum dia,  eu faça uma festa  ” TRIBUTO AOS ANOS 90″, com certeza  o Morango do Amor  estará presente no saquinho de lembrancinha!

Fernanda Abrão

 

FE-BRES DOS ANOS 90 (01)

gradienteVamos começar a relembrar os brinquedos que eram FE-BRE na nossa infância.

O primeiro da lista, a meu ver, é o mais sensacional de todos.

Ganhei o Meu primeiro gradiente em um Natal perdido no tempo e foi o melhor presente que meus pais poderiam ter me dado naquela época.

A ideia de ter um rádio que pudesse gravar minhas cantorias, entrevistas – e sei lá mais o que –  era demais!

O radinho vermelho e azul era cheio de botõezinhos coloridos e com um microfone que foi muito disputado lá em casa. Minhas irmãs, Tatiana e Virgínia, 5 e 4 anos mais velhas do que eu, respectivamente, adoravam o brinquedo tanto quanto eu…

Detalhe: na compra, você ganhava uma fita dos HITS da Angélia! DEMAIS!!! Não parávamos de cantar: “Pela janela do meu quarto / ouço a buzina / me chamando / quem será que vem me acordar… VOU DE TAXÍ/ “CÊ” SABE/ TAVA MORRENDO DE SAUDADE…”

Fazendo uma coparação meio ‘tosca’, acho que o Meu primeiro gradiente é o Ipod que a criançada tem hoje. Mas sinceramente, acho o radinho de fita muito mais charmoso do que o aparelho de hoje.

E aquele microfone era muito leeeeegal! Eu me sentia a mais pop das cantoras …

Que saudade!

Fernanda Abrão

Seu amor em cinco linhas…

 Já que já falamos sobre propagandas, livros, programas de tv e “big” bands que marcaram nossas infâncias, chegou a hora de relembrarmos algumas das brincadeiras que mais ocupavam nosso tempo e ‘acalmavam’ nossos corações. Isso mesmo! Afinal, dos 8 aos 13 anos (mais ou menos), o que nós, meninas, mais fazíamos era perder tempo tentando saber se a paixão, com X, Y ou Z, daria certo. 

Aí vão algumas inesquecíveis…

Brincadeiras com baralho: você tinha que pensar na pessoa amada antes de começar. (Pensou? Então vai!)

Para quem quiser tentar (1)...

Para quem quiser tentar (1)...

Depois disso, tinha que tirar todos os J, Q e K do baralho, só deixar um J de paus (sim, é o seu amado) e uma Q de copas (você! toda fofa e romântica). A Q era a primeira carta da mesa e ficava esperando o J aparecer. Enquanto isso as cartas eram colocadas em 4 fileitas, e aquelas que se repetissem e tivessem próximas (ao lado, acima, abaixo ou nas diagonais) eram retiradas do jogo. Se no final, os dois ficassem juntos, YES! você e ele iam se amar para o resto da vida. Se tiver uma carta no meio, BAD!, uma sirigaita ia estar entre vocês…

 True Love: vocês brincaram disso? Era sensacional. Você ia colocando em cada linha:

1ª – TRUE LOVE

 – seu nome completo

 3ª – nome dele completo

 4ª – dia  e mês (por extenso) em que vocês iam se encontrar

 5ª – dia da semana (por extenso) em que vocês iam se encotrar

Para quem quiser tentar (2)...

Para quem quiser tentar (2)...

Feito isso, você ia contanto quantos T, R, U, E, L,O,V… tinham no total. Aí depois você somava esses números de dois em dois. O resultado final (de 0 a 100) você conferia numa listinha e era o seu destino com seu amado!

  A listinha para quem quiser se divertir, segue abaixo:

True Love

0)       Não gosta de você

1)       Não quer te namorar

2)       Momentos de ternura

3)       Cuidado com amiga intima

4)       Gosta dele só como amigo

5)       Não te quer agora

6)       Pensa no futuro com você

7)       Não lembra de você

8 )       Está falando contigo

9)       Não quer te ver

10)    Te ama

11)    Nunca revelará o que sente

12)    Nada sente de especial

13)    Você não conhece seu verdadeiro amor

14)    Ele te curte

15)    Céu estrelado para vocês

16)    Seu verdadeiro amor não é esse

17)    Aguarde próximo (a) festa ou fim-de-semana

18)    Seu amor começa com a mesma letra

19)    Você tem que tê-lo

20)    Vocês formam um casal perfeito

21)    Ele te acha tímida

22)    Ele quer beijá-la

23)    Ele não confia em você

24)    Não te engana

25)    Não merece sua companhia

26)    Refaça a brincadeira com mais vontade

27)    Não dura muito

28)    Refaça a brincadeira com mais vontade

29)    Momentos romântico

30)    Ele não é sincero

31)    Amor

32)    Faz qualquer coisa por ti

33)    Você quer beijá-lo

34)    Ele prefere as intimas

35)    Não te leva a sério

36)    Vai precisar de você

37)    Te acha uma gata

38)    Quer sua amiga depois de você

39)    Nada sente de especial

40)    Cuidado, ele é atrevido

41)    Você o ama

42)    Te acha atraente

43)    Tem ciúmes de você

44)    Quer te ver

45)    Dupla personalidade

46)    Te ama

47)    Ele te acha boa

48)    Talvez no futuro

49)    Personalidades opostas

50)    Você vive sem ele

51)    Ele tem várias

52)    Ele está apaixonado

53)    Ele quer te ver feliz

54)    Ele tem más intenções

55)    Ele está te amando

56)    Ainda não sabe que te ama

57)    Cuidado com amiga intima

58)    Ele é tímido para se revelar

59)    Ele te quer muito

60)    Você tem muitos pretendentes menos ele

61)    Não lembra de ti

62)    Não gosta de você

63)    Te acha uma boa amiga

64)    Amor verdadeiro

65)    Está falando com você

66)    Não quer tê-lo

67)    Não tem futuro

68)    Amor de festa

69)    Te odeia

70)    Ele zomba de você

71)    Pensa em você

72)    Não é fiel

73)    Não gosta de você

74)    Carta, telegrama ou recado

75)    Conta o que sente para outra

76)    Tente com outra pessoa

77)    Ele não serve para você

78)    Faz poemas para você

79)    Não sabe o que quer

80)    Espera um gesto para se declarar

81)    Indiferença

82)    Ele conta com você

83)    Ele pensa em outra

84)    Você pensa alto demais

85)    Ele olha outra

86)    Quer ficar com você

87)    Te ama e não tem coragem de dizer

88)    Namoro firme

89)    Ele acha que você o ama

90)    Ele é igual a você

91)    O melhor amigo dele quer você

92)    Nunca encontrou alguém como ti

93)    É romântico

94)    Ele quer sair

95)    Tudo dará certo

96)    São apenas amigos

97)    Sente saudades

98)    Quer pimbar com você

99)    Tudo dará mais que certo

100) Vocês se amam]

(não me perguntem o porquê eu tenho essa listinha até hoje, haha, era uma menina precavida e digitalizei meu acervo de coisas inúteis…)

 

 A pedidos: exmplicação da soma do True Love:

 

Primeiro –  você tem que contar quantas vezes as letras  T, R, U, E, L, O e  V se repetem nas 5 linhas, e ir colocando os números na ordem, um do lado do outro, depois da linha. No exemplo acima> 5xT, 5xR, 6xU, 4xE, 2xL, 9xO, 3xV.

 

Segundo – somar os números que estão um do lado do outro.

Exemplo acima> (5+5) (5+6) (6+4)(4+2) (2+9) (9+3)

 

Os resultados são colocados na linha de baixo, mas você só deve anotar a UNIDADE, não a dezena. Isto é, se o resultado der 10, você só anota o 0. Se der 15, você só anota o 5.  

No exemplo acima os resultados das somas deram> 0 1 0 6 1 2

 

Terceiro – voce vai somando, até que em uma linha o número  dê 100 ou tenha apenas 2 algarismo (dezena e unidade). 

Quarto – procure a frase correspondente na listinha acima.

 

Quinto – divirta-se!

 

Tampinha da latinha: após abrir sua latinha de refrigerante você ia falando as letras e ia virando o lacre, a letra que a tampinha soltasse era a letra do meu par perfeito!!!

Existiam várias outras… mas essas eram as mais frequentes! Pelo menos para mim, rs. 

Vamos lá meninas, compartihlem esse momento comigo…quais eram as brincadeiras “qual-seu-futuro-amoroso” que vocês masi faziam?

Aguardo os comentários!

Beijos

 

Fernanda Abrão

Porque para nós, a vida começou nos 90!

Nós, seres na casa dos 20 anos, recém-saídos da adolescência, discípulos de Silvio Santos e Homer Simpson, podemos nos gabar de termos vividos uma das épocas mais ricas e divertidas em matéria de entretenimento popular. Fomos a geração mais bombardeada pela publicidade infantil sem critérios e não tínhamos discernimento e referência nenhuma sobre o que consumíamos.

Vivemos o auge da televisão, da indústria fonográfica e da influência norte-americana. Testemunhamos fenômenos de audiência como Carrossel, Chiquititas,  Cavaleiros do Zodíaco e Castelo Rá-Tim-Bum. Estávamos lá, prontos para seguir qualquer grupo que despontasse para o sucesso – de É o Tchan a Bacsktreet Boys. Éramos fãs incondicionais de qualquer coisa que estivesse na moda, colecionávamos papéis, fotos e figurinhas, decorávamos músicas, aprendíamos coreografias e não perdíamos um capítulo da novela ou seriado famoso da época.

Éramos loucos por cigarrinhos de chocolate e pirocópteros. Tínhamos um acervo enorme de jogos e brincadeiras e precisávamos de muito pouco para nos entreter. Na maioria das vezes nem sabíamos o que estávamos fazendo, mas nos divertimos como nenhuma outra geração.

Muito daquela época se perdeu e algumas coisas era melhor nem lembrar. Fato é que pensar nos anos 90 é certeza de ter boas histórias para contar. Por meio das nossas lembranças, queremos construir um acervo virtual das memórias da nossa infância e resgatar muitos risadas e momentos constrangedores. E para abrir com chave de ouro, um vídeo que mostra vários ícones da juventude (do fim dos anos 80 até a década de 90). Como diriam nossos pais: relembrar é viver! Divirtam-se!

Natalia Guaratto