15 anos de PrayStation, PrayStation!

Quinta-feira (9), o videogame PlayStation, da Sony, completou 15 anos desde que foi lançado nos EUA. É mais um (anos) noventinha ilustre pra nossa lista.

Hoje, o videogame está na sua terceira geração. O PS3 foi lançado recentemente no Brasil. Vem com leitor de Blu-ray e pode ser conectado à internet.

Pra comemorar o “debut”, a Sony fez um vídeo especial, que pode ser visto aqui.

(Vi no site da Galileu)

Daniella Cornachione

Anúncios

Sabe qual a brincadeira que eu menos gosto?

Salada miiiista! 

 Aí vem o Bradesco e faz esse comercial tratando a brincadeira como a coisa mais normal do mundo. Quando eu vi lembrei do terrorismo que era brincar disso. Tenho traumas.

Quem dava a ideia era sempre aquela amiga pririguete wannabe. Ainda que ela soubesse que você queria escolher o loirinho bonitinho, ela não te ajudava e você escolhia sem querer o baixinho feinho da rua. Aí era o terror. Por que você ficava morrendo de vergonha, falando que não queria brincar mais, que não tinha valido e a criançada gritando “beija, beija, beija”. E o feinho lá, olhando você com cara de “agora vai ter que beijar”.

Depois de brincar algumas vezes fiquei esperta e mandei uma amiga menos cuzona apertar meus olhos quando apontasse para o loirinho bonitinho. Tem uma cena de Confissões de Adolescentes que a Carol (Déborah Secco) consegue beijar o gatinho da galera fazendo isso. E ela fica super feliz e daí vem o meu trauma, porque eu aprendi uma lição muito cedo: a vida não imita a arte. A salada mista foi tão ruim, mas tão ruim, que nem o fato de ser o loirinho bonitinho salvou. Só fui beijar de novo uns 4 anos depois.

Mas para quem quiser tentar, fica a dica:

Pera: aperto de mãos
Uva: abraço
Maçã: beijo no rosto

Aí vem a parte crítica…

Salada Mista:

Se vc é fã da Xuxa é selinho na boca

Se vc é fã de Molejo é beijo de língua.

Tenho provas:

“Aproveita e tenta a sorte fazendo uni-duni-tê”. Aham Xuxa, senta lá!

Natalia Guaratto

FE-BRES DOS ANOS 90 (05)

Bichinho virtual

Bichinho virtual

Seus pais nunca te deram um bichinho de estimação de verdade? Ahhh, mas garanto que, se você é da geração anos 90, quando tinha 9,10 anos, ganhou um TAMAGOTCHI, ou o também conhecido BICHINHO VIRTUAL.

 

A invenção japonesa foi lançada em 1996 e levou a criançada à loucura.

Bichinho virtual versão dinossauro

Bichinho virtual versão dinossauro

Era um ovinho que se transformava em pássaro, cachorro, coelho, pinguim ou, até mesmo, dinossauro (eu tive um desses!) e que tinha que ser criado como qualquer outro animalzinho. Alimentar, limpar, brincar, pôr para dormir… essas eram as principais obrigações que tinhamos para com ele, que ia crescendo firme e forte. Porém, caso fosse esquecido por seu dono, o bichinho adoecia e em alguns casos chegava a morrer (situação fácil de reverter com o simples click do reset).

Versões atuais com conectividade

Versões atuais com conectividade

 

 

As versões atuais do Tamagotchi permitem, por meio de um sensor infravermelho, a interação entre bichinhos (com a opção de gerar filhotes e  formar família) e do jogo com o computador.

 

 

 

 

Fernanda Abrão

FE-BRES DOS ANOS 90 (04)

Aposta: todas as pessoas nascidas nos anos 90,  até mesmo nos anos 80, tiveram uma dessas.

Mola Maluca

Mola Maluca

A Mola Maluca era a diversão mais simples possível. Todos ficavam horas fazendo ela ir de um lado para o outro, com aquelas mil cores e o barulhinho inconfundível.

A versão de plástico, colorida, era muito frágil e logo se quebrava. Também existia a versão metálica, mas essa eu nunca tive.

Ah, sem esquecer do tempo que se  ‘perdia’ tentando fazer ela descer todos  os degraus da escada. Azar de quem morava em casa térrea né?

Com certeza ainda está disponível nas lojas da Rua 25 de Março, assim como quase tudo que a gente comenta por aqui.

Fernanda Abrão

Tazo Mania!

Os tazos vinham como brindes dos salgadinhos Elma Chips

Os tazos vinham como brinde dos salgadinhos Elma Chips

“E aí, vamos bater?”

Durante os anos 90, crianças de idades diferentes viveram uma mesma mania: a de bater tazos. Os objetos têm formato de pizza e, quando foram lançados, traziam ilustrações de desenhos da Looney Tunes. Os tazos vinham como brinde dos salgadinhos Elma Chips, mas a marca logo perdeu o domínio sobre a brincadeira, não tinha graça ganhar um comprando o produto, o legal mesmo era conseguir vários disputando com outros colegas.

O intuito era simples, virar do lado contrário um montinho com número variável de tazos com as mão em forma de concha. Quem “batia” ou “virava”, ganhava.  Havia ainda outra forma de jogar, que era empilhar os tazos e jogar um disco de formato diferente, o “master”, para que ele virasse os outros. Aquele que conseguisse muitos de uma vez estava “rapelando” o competidor. A brincadeira tomou conta de muitas escolas, onde os alunos formavam rodinhas, enquanto alguns batiam, outros acompanhavam as disputas ou esperavam para jogar.

O problema foi que os tazos acabavam concentrados nas mãos de poucas crianças. Isso gerava além de inveja, muita competição e uma posterior falta de interesse pelo jogo. A brincadeira ainda existe, mas os famosos tazos dos anos 90 deram lugar a outros objetos de formatos e estilos diferentes.

Daniella Cornachione

FE-BRES DOS ANOS 90 (02)

Brilho de Morango!!!!

Isso sim é que foi uma febre nos anos 90. Não tinha uma menina que não levasse um Morango do Amor na  mochilinha!

Morango do Amor

Morango do Amor

Passá-lo era meio nojento, rs, tinha que ser com o dedo mesmo, já que não vinha com os modernos pinceizinhos de hoje.

Nojento ou não, era superbadalado. Uma das poucas maquiagens que nós, crianças na época, podíamos usar.

Além da versão moranguinho, ainda existia a versão uvinha e maça! Mas eu não encontrei fotos delas para colocar aqui.

Versões atuais:  brigadeiro e sorvete

Versões atuais: brigadeiro e sorvete

Para quem quiser relembrar os velhos tempos… eu sei que na 25 de Março tem um monte de loja que ainda vende os moranguetes. E atualmente inventaram as versões sorvetinho, brigadeiro…

Ah, mais uma coisa: caso, algum dia,  eu faça uma festa  ” TRIBUTO AOS ANOS 90″, com certeza  o Morango do Amor  estará presente no saquinho de lembrancinha!

Fernanda Abrão

 

FE-BRES DOS ANOS 90 (01)

gradienteVamos começar a relembrar os brinquedos que eram FE-BRE na nossa infância.

O primeiro da lista, a meu ver, é o mais sensacional de todos.

Ganhei o Meu primeiro gradiente em um Natal perdido no tempo e foi o melhor presente que meus pais poderiam ter me dado naquela época.

A ideia de ter um rádio que pudesse gravar minhas cantorias, entrevistas – e sei lá mais o que –  era demais!

O radinho vermelho e azul era cheio de botõezinhos coloridos e com um microfone que foi muito disputado lá em casa. Minhas irmãs, Tatiana e Virgínia, 5 e 4 anos mais velhas do que eu, respectivamente, adoravam o brinquedo tanto quanto eu…

Detalhe: na compra, você ganhava uma fita dos HITS da Angélia! DEMAIS!!! Não parávamos de cantar: “Pela janela do meu quarto / ouço a buzina / me chamando / quem será que vem me acordar… VOU DE TAXÍ/ “CÊ” SABE/ TAVA MORRENDO DE SAUDADE…”

Fazendo uma coparação meio ‘tosca’, acho que o Meu primeiro gradiente é o Ipod que a criançada tem hoje. Mas sinceramente, acho o radinho de fita muito mais charmoso do que o aparelho de hoje.

E aquele microfone era muito leeeeegal! Eu me sentia a mais pop das cantoras …

Que saudade!

Fernanda Abrão